CIÊNCIA

Aumento do desmatamento na Amazônia põe em risco metas climáticas do Brasil

Confira o áudio:




O aumento do desmatamento ilegal na Amazônia põe em risco as metas de redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE) estabelecidas na Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) do Brasil em 2015, por ocasião da assinatura do Acordo de Paris, e revisadas em dezembro de 2020.

A derrubada de floresta para conversão em pastagens no bioma amazônico tem impulsionado as emissões de GEE do país e se tornou, desde 2017, a principal fonte de geração no Brasil desses gases que contribuem para o aquecimento global, apontaram pesquisadores participantes do webinário “Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira: metas nos setores estratégicos – florestas, agricultura e energia”, realizado pelo Programa FAPESP de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais (PFPMCG) na terça-feira (11/05).

“Se o desmatamento continuar, todo o esforço para reduzir as emissões de gases de efeito estufa no Brasil será em vão”, disse Eduardo Assad, pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária, durante o evento.

Ouça na reportagem de Jorge Machado

Derrubada de florestas para conversão em pastagens tem impulsionado as emissões de gases de efeito estufa do país, apontaram participantes de webinário promovido pela FAPESP (Foto: Felipe Werneck | Ibama)



 





VEJA TAMBÉM